EX-Componentes

  • AURICÉLIA

    Auricelia Iniciou sua carreira musical aos 15 anos na Banda TERÇA, indo em seguida para a Banda G LOPES SOM, ambas da cidade do Assu/RN. Após isso, veio para a cidade de Mossoró/RN, ingressando na Banda ELO MUSICAL, uma das maiores à época, onde passou uma boa temporada.

    Desligando-se da ELO MUSICAL por volta de 1997, rumou para o Estado da Paraíba, tendo começado pela cidade de Uiraúna na Banda DOCE PECADO. Depois foi a vez da cidade de Pombal, participando da Banda ALEGRIA-ALEIJADINHO DE POMBAL. Mais tarde, vindo para a cidade de Souza, fez parte da Banda POTÊNCIA MUSICAL. Participou também da Banda COLO DE MENINA, ainda na Paraíba, antes de retornar à cidade de Mossoró/RN onde esteve presente nas bandas BALANÇO DE MENINA e JATÕES DO FORRÓ.

    Após palmilhar todos esses caminhos, pois sempre estivera no palco como cantora de frente, chegou ao grupo OS TREMENDÕES no final de 2006, convidada pelo vocalista Ary Soares para fazer parte do backing vocal, trazendo consigo toda uma imensa bagagem de experiências  e conhecimentos que a identificam como uma excelente profissional no campo da música.

    Auricélia (Galega) como chamamos, permaceneu conosco até o final de dezembro/2013, para dedicar-se à banda do seu esposo (CADILAC VIP), na qual, é a cantora principal.

  • DANIEDJA SOARES

    Daniedja  Cristina Soares de Macêdo (Dani Soares) – Natural de Assu/RN, Fisioterapeuta, iniciou sua experiência com vocal em um coral, com apenas 13 anos, na cidade de Assu, sob a regência do grande José Fernandez, maestro e cantor lírico em Natal/RN.

    Nove anos após, iniciou as aulas de Técnica Vocal na Escola de Artes de Mossoró e, após três meses, em 2014, surgiu a oportunidade de participar da família Tremendões, onde permaneceu até novembro/2016. 

  • ELZO GURGEL (Elzo)

    Natural da cidade de Apodi, iniciou sua trajetória na Banda de Música da FUNDEVAP – Fundação do Desenvolvimento do Vale do Apodi/RN, por volta dos anos 1966/67, banda essa de iniciativa de um padre holandês(Padre Pedro), que trouxe mais tarde um maestro da capital Natal/RN. Começou tocando requinta, que logo foi substituído pelo saxofone. Posteriormente, passou a integrar orquestras de frevo, tocando carnavais e, depois, retretas, muito comuns no final dos anos 60, início da década de 70, devido ao uso dos instrumentos de sopro(sax, trombone e piston). Mais tarde participou de um conjunto musical chamado OS EXPLOSIVOS, da cidade de Apodi/RN, sua terra natal, onde tocava sax tenor. Foi aí sua primeira experiência profissional em conjunto musical, pois esse grupo tocava muito e viajava bastante pelas cidades circunvizinhas.

    Em 1971, mudou-se para a cidade de Mossoró, onde teve que dividir seu tempo entre os estudos e o trabalho, deixando de lado um pouco a música, muito embora nas idas à sua cidade, por ocasião dos carnavais, tocava nas bandas de frevos, bem como em algumas brincadeiras com amigos.

    Em 1976, contraiu núpcias e seu tempo foi quase que totalmente preenchido com as responsabilidades inerentes a um pai de família, distanciando-se ainda mais da música.

    Em 1991, lendo uma coluna social de Ivonete de Paula, Elzo descobre que a banda OS TREMENDÕES estava à procura de novos componentes para continuar atuando na cidade de Mossoró/RN, e percebendo que isso não atrapalharia a sua vida profissional, resolveu retornar à música, apresentando-se ao Dr. Leonardo Nogueira, expondo-lhe a sua experiência passada com o saxofone e, após ensaio na sede do grupo, integrou-se  a esse até os dias de hoje, cuja estadia já se aproxima dos 18 anos, numa experiência gratificante, pois além da amizade que cultivou, teve a oportunidade de conviver com grandes músicos, além do contato com artistas e grupos de renomes nacionais, como Leno, Lílian, Renato e Seus Blue Caps, The Fevers, etc, como declara o próprio Elzo.

    O grupo OS TREMENDÕES também enriqueceu um pouco mais com a presença do Elzo, pois agregou-lhe a experiência vivenciada, contribuindo para sua performance musical.

    Finalmente, Elzo anuncia sua saída da banda, o que ocorreu no dia 24 de novembro de 2012, após 22 anos conosco, logo após a apresentação na festa realizada na cidade de Severiano Melo/RN.

  • KELLY LIRA

    Cantora e compositora nascida em Pau dos Ferros/RN em 1985, sempre teve a musica muito presente desde a infância, quando cantava nos grupos e corais da igreja em que frequentava. Em 2006 mudou-se para Mossoró/RN e logo foi convidada a participar da banda Thábata como backing vocal. Nessa época viajou por vários estados brasileiros aperfeiçoando sua habilidade vocal pelos palcos em que passou.

    Mas foi em 2008, com o grupo musical “As Brasileiras” e o espetáculo “Na era do rádio” que oficializou sua carreira como cantora. Com o grupo fez vários shows pelo estado do RN (entre 2008 e 2009), conquistando sempre sucesso de crítica e público. Nesse período montou um seleto repertório de MPB e começou a cantar nos barzinhos da cidade.

    Nesse mesmo ano participou do I Festival da Canção e da Cultura Potiguar, realizado pela Assembléia Legislativa do RN, conquistando o prêmio de “Melhor Intérprete”.

    Em 2009 apresentou-se junto do grupo “As Brasileiras” e o show “Na era do rádio” no Projeto Seis e Meia, abrindo o show da cantora e atriz Tânia Alves. Ainda esse ano participou pela segunda vez do II Festival da Canção e da Cultura Potiguar, defendendo música dos poetas Genildo Costa e Marcos Ferreira.

    Em março de 2010 fez um show no prestigiado Projeto Seis e Meia, sendo janela para o cantor e compositor baiano Moraes Moreira, foi também selecionada para participar do V Festival MPBeco, com uma de suas composições, a música “Porta-retrato”.

    Teve influência de diversos estilos musicais como bossa nova, samba, jazz, soul, baião ouvindo cantoras e cantores nacionais e internacionais como Elis Regina, Gal Costa, Djavan, Chico Buarque, Ed Motta, Luis Gonzaga, Ray Charles, James Brown, Whitney Houston.

    É uma cantora eclética que une versatilidade, simpatia e talento, trazendo para seu universo suas músicas autorais, definindo assim seu estilo próprio e sua identidade musical. Fazendo diversos tipos de shows, desde um intimista voz e violão, até eventos particulares como casamentos, feiras e festas corporativas, aniversários e etc.

    Fez vários trabalhos e gravações de jingles publicitários para rádios e TV´s locais, participou da programação do Mossoró Cidade Junina (edições 2009~2012), cantando no palco do espetáculo “Chuva de Bala” e na Cidadela; Projeto Corredor Cultural (2009~2012). Participa da Banda Tremendões como backing vocal desde dezembro de 2011, onde logo em seguida participou da gravação no segundo DVD e, atualmente continua mostrando seu talento, fazendo da voz a extensão de sua alma, enquanto se prepara para gravar seu primeiro CD.

    Kelly Lira (kekelly) como chamamos, ficou conosco até o final de 2013, saindo para seguir sua carreira solo, a qual desejamos muito sucesso e agradecemos pela sua brilhante contribuição.

  • PEREIRA

    Pereira Hoje com 48 anos, iniciou sua trajetória musical participando dos festivais: O 2.º FESTIVAL A MAIS BELA MÚSICA, no início da década de 80, que passou a chamar-se FESTIVAL DE COMPOSITORES POPULARES-FECOMP, realizados anualmente pela Rádio Rural de Mossoró. Nesses festivais apresentava algumas de suas composições: Demonstração, Mensagem Número 3, Eu Quero e Sonho Impossível. Fez parte de um grupo musical que se tornou o primeiro Coral da UERN e, em 1992, integrou um coral espírita-cristão, que se transformou em grupo vocal, o GRUPO VIDA, da Sociedade Espírita de Mossoró, do qual faz parte até hoje.

    Em agosto de 1996, convidado pelo colega de trabalho Celso, veio a integrar também OS TREMENDÕES, na qualidade de vocalista, em substituição ao veterano Alciney que estava deixando o Grupo.

    Afastou-se do elenco em 1997, em virtude da sua transferência para Natal/RN atendendo necessidade da empresa onde trabalhava, mas não esqueceu a música porque naquela ocasião juntou-se a um colega de trabalho que também é músico, com o qual formou uma dupla e animou algumas noites natalenses, cantando MPB.

    Com seu retorno a Mossoró em 1999, reintegrou-se à Banda ocupando a mesma função e, permaneceu  conosco até abril/2012, quando decidiu novamente se desintegrar do grupo.

  • SYMARA TÂMARA FERNANDES CARLOS (SYMARA)

    Natural da cidade de Natal, capital do Rio Grande do Norte, atualmente com 26 anos de idade, descobriu seu talento ainda criança, quando ainda cursava o ensino fundamental, pois sempre esteve envolvida nos eventos onde houvesse expressões artístico-culturais, principalmente poesia e música, com as quais se identificou mais e com elas ainda lida atualmente.

    Iniciou suas atividades musicais aos 18 anos, em dezembro de 2001, a convite de Júlio César, com o qual fez parceria e passou a cantar profissionalmente MPB nas noites mossoroenses. Essa parceria teve que ser desfeita em virtude de a Symara enveredar por outras atividades, quer estudantis, quer profissionais, sem perder o foco da música.

    Em 2004 teve sua primeira experiência com banda musical, a JUKE BOX, cujo estilo era Pop Rock Nacional e Internacional. Integrou-se ao grupo, que estava em sua segunda formação e do qual se tornou vocalista, tendo permanecido pouco tempo, pois esse grupo se desfez no mesmo ano.

    Ainda em 2004, participou do concurso A Mais Bela Voz, tendo chegado à semi-final. Insistiu no  ano seguinte, mas não obteve classificação.

    Teve uma participação especial em um show com o Trio Irakitan, no Teatro Municipal, em novembro de 2005, por ocasião de uma festa de aniversário do Jornal de Mossoró, no qual trabalhava à época. No mês seguinte, apresentou-se também na Assembléia Cultural.

    Em 2006, voltou a fazer MPB de forma menos intensa e retornou ao concurso A Mais Bela Voz, tendo obtido a tão sonhada primeira classificação com a música O Bêbado e o Equilibrista.

    No ano seguinte, conheceu o Moisés, que se tornou seu namorado, o qual a levou para uma banda de Have Metal, onde esteve por algum tempo. Tendo se desligado dessa em 2007, passou a cantar mais intensamente na noite acompanhada pelo novo parceiro, que deu muito certo, pois Symara casou-se com  o mesmo e juntos passaram a musicar poemas de autores diversos, principalmente os norte-rio-grandenses, inclusive da própria Symara que também é poetisa, trabalho esse que permanece até hoje.

    Atendendo ao convite de Ary, vocalista da Banda OS TREMENDÕES, integra-se ao seu elenco como backing vocal, onde permanece até os dias atuais e traz suas experiências enriquecedoras, contribuindo para que esse grupo permaneça embalando os sonhos adolescentes das pessoas de diversas idades.

    Symara Tâmara permaneceu conosco até dezembro/2011, quando decidiu por em prática vários projetos culturais e artísticos.

  • TADEU

    Tadeu começo foi uma brincadeira, pois Tadeu construiu sua primeira bateria de latas, tendo se juntado a dois outros amigos, Dorian e Jaedson, que tocavam violão. Aperfeiçoaram a bateria e juntos formaram um grupinho para tocar e se divertir. Mais tarde, em 1967, desligando-se do seu primeiro grupo, pois os seus amigos não quiseram continuar, foi convidado a fazer parte de um outro, que veio a se chamar  OS BRASINHAS, cuja bateria foi confeccionada pelos próprios componentes que era uma sociedade formada por 04(quatro) membros:  Agostinho, Costa Júnior, João e Tadeu). Em seguida, adquiriram  o instrumental do grupo OS INFLAMÁVEIS, que renovara recentemente o seu.

    OS BRASINHAS, no entanto, durou entre 02(dois) e 03(três) anos porque dois de seus membros foram para a cidade de Fortaleza/CE  e Tadeu passou a integrar um grupo do SESI, OS TRANSAS, tendo permanecido ali por uma boa temporada. Logo depois, foi integrar os grupos: PERDIDOS E ACHADOS  e, em seguida, O BRASIL SOM 2000.

    Após esse, fez parte de OS BÁRBAROS e depois, O ELO MUSICAL.Em 1990, convidado por Leonardo Da Vinci, que estava reestruturando a volta de OS TREMENDÕES ao cenário musical de Mossoró, integrou esse grupo em dois momentos distintos: em 1990, quando do seu retorno,  permanecendo pouco tempo, e depois em 1994 e permaneceu na banda até dezembro de 2014, indicando para assumir o seu posto, o seu filho mais novo "Paulo Vitor" que a partir de janeiro/2015 é o nosso novo batera. É, sem dúvida, Tadeu um grande profissional que se irmana a outros de mesmo quilate, fez de OS TREMENDÕES essa banda tão maravilhosa em suas expressões musicais.